Mirtes
Cada água que cai do meu rosto
É uma chuva que ainda não parou
Cada água que cai lá de cima
É a lagrima de alguém que brigou
Cada raio que cai lá de cima
É uma luz no meio da escuridão
Cada tapa que recebo no rosto
É a chicotada de um furacão
Agente se sente
A gente se sente diferente
A gente se mente
A gente se mente diferente
A gente semente
Semente plantadinha no chão
A gente se mente
Na mente e no coração

(Autor desconhecido)
Marcadores: | edit post
Reações: 
1 Response
  1. Bill Falcão Says:

    Muito interessante o poema, Mirtes, pelo simbolismo de fenômenos naturais com sentimentos humanos.
    E o Kim deve ser irmão gêmeo do meu cão, como parecem!
    Bjoo!


Postar um comentário

Gostou do Blog? Deixe um comentário!